Black Mirror – The Complete Mini Series

Estou eu, faceira na minha madrugada de terça quando o Sr. Michel Arouca me manda um email dizendo para ver Black Mirror. Confesso que até o momento, eu apenas sabia da existência da série porque tinha visto o nome na lista de torrents novos. O email dizia apenas: “Assista Black Mirror. Vi o 1a agora. Vc vai amar. É genial.”

Assim, o Michel é um cara bacana e tudo mais, mas ele não costuma ser muito legal quando o assunto é indicar série para mim, foi ele quem disse: “Paula, você não quer assistir FlashForward?” Geralmente quando ele me diz para ver uma série é algo Sci-fi ou sobrenatural com grande potencial para ser uma bomba (não me perguntem porque eu ainda ouço as indicações dele). Foi com esse pensamento que sentei para assistir Black Mirror, esperando algum Sci-fi britânico bisonho…

 Dez minutos de série e… “ele falou fuck a pig? Eu ouvi certo?” Levei alguns minutos para me convencer que eu não estava precisando de legenda e que o plot do episódio era mesmo o sequestro da princesa da Inglaterra cujo resgate dependia de o Primeiro Ministro “praticar um ato indecente” (gotta love the British) com um porco. Já falei para vocês que eu amo a TV inglesa?

Depois do choque do primeiro episódio, eu fui atrás e descobri que Black Mirror é uma minissérie de três episódios com a proposta de falar sobre a sociedade atual. Cada um dos episódios traz personagens e atores diferentes para contar histórias completamente independentes, sempre comentando algum aspecto da vida moderna etc, etc… Parece pretensioso demais, não? Se eu tivesse lido essa definição sem ver a série, era certamente o que eu iria pensar, mas o fato é que Black Mirror realmente consegue fazer o que se propõe. E por mais que eu não faça ideia e tenha medo de descobrir porque o Michel se lembrou de mim com o plot do porco e tudo mais, ele tinha razão, adorei Black Mirror. Foi uma das melhores coisas que assisti este ano.

A série tem um roteiro inteligente, que em nenhum momento subestima o espectador. Black Mirror não para o episódio para dizer: ok você aí assistindo, esse episódio é sobre tal e tal coisa e você precisa prestar atenção nisso e naquilo para entender a história. Os roteiristas confiam que você é capaz de decidir sozinho o que é importante e te deixam livre para interpretar a história sem precisar seguir setas. E só por isso os roteiristas da série já teriam o meu respeito.

Outra coisa fantástica é a coragem da série. Começar com zoofilia não é para qualquer um, e o episódio inicial foi ballzy suficiente para chocar os britânicos! E não estamos falando do público da BBC, Black Mirror é Channel 4, um canal com programação alternativa e mais adulta, ou seja não exatamente um canal família. Lembro-me de ver o primeiro episódio como uma versão de 40min da cena do banheiro de Battlestar Galactica. Tudo que eu conseguia pensar era “não, não, não”, lembrar-se de fechar a boca e tentar acreditar no que estava vendo.

Além de tudo isso, a série tem ideias muito legais. Toda a coisa do vídeo de resgate viral do primeiro episódio e o visual futurista dos outros dois episódios funciona muito bem, e não lembram imediatamente algo que eu tenha visto ou lido em algum lugar. Sem falar que toda a parte técnica visualmente é muito bacana. Algo que acho genial nas séries britânicas é trabalhar dentro das suas possibilidades, se eu não tenho tempo nem orçamento para efeitos hollywoodianos, é melhor botar a cabeça para funcionar e pensar em uma solução dentro das possibilidades financeiras da produção do manter a ideia inicial com efeitos baratos que tiram atenção da história.

Enfim, eu tentei manter os spoilers em um nível mínimo porque acredito que muita gente ainda não teve a chance de ver Black Mirror e as surpresas da série definitivamente valem a pena. Se você já viu a série e quer uma opinião mais cheia de spoilers corre para o Podmaníacos que vai ao ar essa semana, que o Michel e eu contamos a série inteira lá. Black Mirror foi a melhor surpresa de 2011 para mim, a série é absolutamente genial, é tudo que a gente reclama que falta na televisão.

  • http://twitter.com/_andreflores André Flores

    Eu vi os tweets de vcs e resolvi baixar.

    Ainda não assisti, mas está na minha lista pra dar uma conferida!

  • Marcelo

    Fiquei interessado na série, onde posso baixa-la?

  • Emanuel Oliveira

    O cara que escreveu o primeiro episódio, Charlie Brooker, é o mesmo que escreveu o roteiro de Dead Set.

  • Lucas Camargo

    Queria saber onde eu encontro pra baixar, não achei em lugar nenhum :(

  • https://twitter.com/#!/oGabrielRocha Gabriel

    Não assisto muitas produções inglesas, mas desde que assisti o trailer de Black Mirror me interessei. O primeiro episódio, in my opinion, é com certeza o melhor, cada cena passa a sensação de estar levando um tapa na cara. Como tu mesmo disse, é como uma versão de 40min da cena do banheiro de BSG. Sobre o segundo episódio eu já tinha visto em um preview que ele apresentaria uma crítica a reality shows, mas nunca ia imaginar como a história ia se desenrolar, outra vez de forma chocante, e ainda assim abrindo espaço pra um romance bonitinho. Já o terceiro episódio não é que eu tenha achado ele ruim, mas se for comparar com a relevância dos temas dos dois primeiros, ele fica meio apagado, apesar de ter uma ideia legal, como a dos chips que armazenam a nossa memória e apresentar muito bem a história proposta. Gostaria que existissem mais programas com essa forma de narrativa antológica, pois vão direto ao ponto e não ficam naquela enrolação que muitas séries apresentam com episódios fillers.

  • http://seriemaniacos.tv Paula Pötter

    Marcelo e Lucas eu baixei por torrent. :D

  • Lu

    Fiquei super curiosa para assistir, mas não encontro em lugar nenhum. Adoro séries inglesas.

  • Bia

    Fiquei curiosa. Vou ver ;)

  • Paulo França

    Assisti aos 2 primeiros episódios.
    O 1o eu nem vi completamente porque achei muito grosseiro.
    O 2o foi muito bom. Adorei!
    O 3o vou ver amanhã.

    Pra quem não sabe onde tem pra baixar, sugiro o ThePirateBay pra pegar o torrent.
    As legendas (em inglês), achei aqui:
    http://www.podnapisi.net/en/ppodnapisi/search?sJ=2&sK=Black+Mirror

  • Lucas

    Obrigado pela ajuda, baixei e achei muito boa!

  • Eduardo

    A minisserie pode ser ótima, mas por essa descrição “legal, tem zoofilia e palavrão, o cara fala ‘Fuck a Pig’ e tal…” me passou uma imagem ruim, que a serie é gratuitamente grosseira… Afinal, nao ha a menor necessidade de ter sacanagem e palavrao para ser legal, Downton Abbey e outras series inglesas sao otimas sem precisar apelar desse jeito… :-)

  • http://seriemaniacos.com.br Paula Pötter

    Eduardo, primeiro eu acho triste que tudo que tu tenha tirado do meu texto foi q a série tem zoofilia e palavrão (me espanta bastante a parte do palavrão, pq eu nunca ressaltei isso). Mas o q me fez responder o teu comentário é q em nenhum momento eu disse que a série é ‘gratuitamente grosseira’. Pelo contrário a questão da zoofilia do primeiro episódio é extremamente necessária para o impacto que a história tem. Se você tivesse assistido o episódio, saberia para a trama funcionar era imprescindível um ato tão absurdo e errado em todos os sentidos. O que faz o episódio ser tão bom é o impacto que tal ato causa no expectador, é não saber qual a solução certa ou mesmo como tu quer q a história termine.

    E depois preciso discordar de ti quando tu fala que ‘não há a menor necessidade de sacanagem e palavrão para ser legal’. Para começar eu não disse que black mirror é legal, porque legal é ver o Dean caçar monstros no Impala, ou o Damon ser canastra, ou um serial killer com poder de controlar lactose. Legal é algo divertido que me deixa leve depois de assistir. Eu terminei black mirror e levei uns 20min pra digerir o episódio, a série é inteligente, bem feita, genial… Além disso, caso tu não tenha notado o mundo não é um lugar adorável e ‘grosserias’ como tu coloca fazem parte do cotiano, então é no mínimo hipócrita achar que na ficção o mundo deve ser adorável e limpinho. E francamente ‘desnecessário’ é um termo relativo, o que pra ti é apelativo e gratuito, para outra pessoa pode ser a coisa mais engraçada do mundo. É ficção, acho tão ridículo se ofender com ficção.

  • Henrique N.

    Paula Potter cara de inocente mas de mente diabólica! ;D
    Olha, acabei de assistir o primeiro episódio, sem legendas em português (ñ achei em pt-br), mesmo com meu inglês fraco, decidi encarar, suas críticas foram ótimas.
    A série prende quem assiste isso não há duvidas, as cenas iniciais me incomodaram pelo fato de todos acharem que o meio mais fácil era o Ministro trepar com o porco, o cara mal tinha visto o video do sequestro, sei lá achei meio precipitado.
    Não achei genial, achei mediano o episódio, como eu disse a trama me prendeu na tela, mas não é algo pra se dizer ; nossa que genial!!. Vou conferir os outros episódios.

  • Bia

    Henrique N, acho que vc não entendeu bem o episódio…

    Eu vi o 1º ontem e achei bem chocante. Adorei como tdu foi conduzido e tbm definiria a minisérie como genial.

    Inté

  • http://esperandooesperado.blogspot.com Mica

    Estou no meio do 1º episódio e em pânico. Que situação! Se eu fosse ele, renunciava e viveria o resto da vida sabendo que pude ser o responsável pela morte da garota.

  • Bruno

    Acabei de ver o segundo episódio, gostei muito.

    A legenda dos dois primeiros tem no legendas.tv.

    Ao ver esta série, principalmente este segundo episódio, me fez lembrar de séries como The Twilight Zone e The Outer Limits.

  • Eduardo

    Paula, antes de mais nada peço mil desculpas caso tenha parecido ofensivo ou a tenha irritado, pois essa nunca foi a intencao.

    > É ficção, acho tão ridículo se ofender com ficção.

    Não se trata de ficar “ofendido” com a ficção. Não sou religioso, não sou puritano, e baixo muita pornografia na internet. Apenas separo as coisas, nao curto assistir excesso de palavroes, má-educação, mau-gosto, sacanagem gratuita e outras grosserias em algo que, supostamente, deveria ter sido feito para me distrair. Do mesmo modo que não gosto de assistir filmes onde bandidos sao apresentados como vitimas ao invés de serem punidos ou mortos (cinema nacional, alguem?), ou historias em cenario de miseria, como favelas…

    OK, eu posso estar errado, mas ficcao na tv para mim é DIVERSAO. Se o programa irrita e traz desconforto (como um Zorra Total da vida), ele não está cumprindo seu papel de divertir.

    Voce se diverte com zoofilia? Voce curte a sensacao e nem se incomoda de ficar “uns 20 min digerindo” porque num programa de tv alguem estava limpando o pau na cortina (ja vi isso ser “elogiado” num podcast do Seriemaniacos), peidando, limpando meleca do nariz e enfiando na boca, cagando no jardim (voce vendo a merda saindo da bunda dele), balançando o pau de forma totalmente gratuita em frente à camera?…

    Tudo bem, mas eu não me divirto com isso, acho tudo extremamente grosseiro e de mau gosto, e não vejo porque teria que assistir a um seriado que exiba essas coisas, assim como não vou permitir alguem de fazer isso na minha casa na hora do jantar, so porque “é hipócrita achar que o mundo deve ser adorável e limpinho”. Não é porque existem depravados, que eu tenho que assistir depravação na tv. :)

    Agora, toda essa opiniao pessoal à parte, talvez seja minha culpa nao conseguir explicar a você que o “problema” que eu vi (sim, é uma interpretação minha), é que A FORMA de comentar sobre a serie passa essa ideia que a serie é grosseira. É apenas isso. E não é a primeira vez que acontece, ja citei outro elogio semelhante que ouvi num podcast do seriemaniacos, sobre um personagem dizendo que estava literalmente limpando a merda do pau, apos fazer sexo anal). Entendeu essa parte que a forma de comentar leva o leitor a ver o programa como uma serie de grosserias? O resto (se ele vai se amarrar em assistir isso) é com ele.

  • Paulo França

    Assisti aos 3 episódios e gostei somente do 2o.

  • Márcia

    Ia baixar, resolvi passar por aqui, depois de ler os comentários e a review vou procurar/esperar algo mais ameno e mensos “polêmico”.

  • leo

    Eduardo,
    você definiu bem a diferença entre entretenimento e arte.
    Infelizmente televisão se dá praticamente como um produto de consumo, a industria se movimenta assim e 98% da sua programação se faz dessa forma.
    Esse dilema inclusive se mostra bem presente no 2º capitulo, onde o consumismo e a alienação tornam-se incontroláveis a ponto de denegrir o ser humano de uma forma literal, e não pseudo indireta como acontece hoje. É um provável caminho do que estará por vir, infelizmente.

    Infelizmente televisão hoje em dia é isso aí o que você disse. É para divertir, fazer rir, incomodar no máximo de forma superficial, Um passatempo, entorpecente. Você entra e sai da mesma forma.

    Agradeço muito à Paula Pötter por trazer esta obra até mim.
    Mexe, te tira do eixo, te faz pensar.
    Parabéns por propagar este ‘caco pontiagudo no pescoço’ com ótima oratória,
    propaguemos ‘black mirror’ o máximo possível!
    Beijos,
    leo

  • @william_iago

    WTF? Define. Nem msmo filmes de terror me deixam tão aflito. Putz!!! Qndo ele começou a andar pra entrar na sala eu pausei e nem sabia o que fazer, eu sabia que eu tinha continua mas não queria ao mesmo tempo que eu queria, HAUHausahuahs. BIZARRO É O MINIMO. DOENTIO! Nem Ryan Murphy é tão pervertido minha gente! Vou recomendar pro mundo todo a série já, só por esse epi01 mas ah! Vou avisar que é tenso antes. HASUHuhsauhUASHUA Demais, ótima recomendação.

  • leonardoav

    O primeiro episódio devia ser o último de tão foda.

    Também faria o que @Mica disse. Que vontade que me deu, de dar um soco no meio da cara daquela velha loira, por forçar a amizade daquele jeito.

  • http://esperandooesperado.blogspot.com Mica

    Terminei o 1º episódio e fiquei em choque…não consegui ver o 2º e o 3º ainda. Mas foi muito bom, embora eu tenha ficado em lágrimas.

    @Eduardo, Black Mirror não é baixo ou de mau gosto, muito pelo contrário. Ele mexe com a forma de pensar de quem assiste. Não é bem o que aparece na tela, é a motivação da coisa. Você não precisa ver a degradação humana para saber que ela está lá. E sério, Black Mirror te faz pensar. Ela não é pura diversão, aliás, acho que nem é diversão, ela é reflexão. Black Mirror é filosófica, sociológica… Sei lá, vale a pena mesmo.

  • Cristiano Oliveira

    Não vi Black Mirror, mas me pareceu bem interessante.

    Pra quem gosta de soco reflexivo e sociológico no estômago, e que não tenha visto ainda, vão duas dicas de filmes um pouco antigos: Requiém para um Sonho (requiem for a dream) e Dogville. Eu achei ambos excelentes e, por isso, acho que vou gostar muito de Black Mirror.

  • leo

    Aronofsky (requiem para um sonho, black swan) é ótimo,
    mas Black Mirror não passa por aí, na minha opinião.
    É outro tipo de caminho reflexivo que, ao meu ver é bem mais gostoso e, inteligente.
    Se fosse fazer analogia ao cinema, citaria os filmes de David Lynch (cidade dos sonhos) e Bergman (O sétimo selo, persona, etc)

  • http://www.dunha.com.br Dunha

    Arouca curte SGU, level 99 de bom gosto esse cara, já assisti o primeiro de black mirror, show de bola.

  • http://www.descobrindoideias.com Alex Sandro Fagundes

    Acabei de assistir a serie, e logo fui fuçar na net mais informações sobre ela, foi assim que vim parar aqui. Gostei muito do texto e concordo plenamente com tudo que foi descrito. Melhor presente 2011, quando se trata de series. Pra quem ainda não assistiu, vale muito a pena.

  • Skyler

    Bah, Paulinha. Valeu mesmo. Muito obrigada pela dica. Fui na fé pq costumo ter o mesmo gosto e geralmente concordo com as tuas opiniões. Tanto q te considero a minha voz aqui. Continue representando muito bem o nosso estado.

    Achei o primeiro episódio “amusing” a maior parte do tempo. Qdo mostraram a galera vibrando no pub eu dei uma puta risada. Não fiquei chocada, pq tá pra ser feita uma coisa q me choque, mas as histórias realmente te fazem pensar. O único momento q me deixou mais assim foi qdo o Primeiro Ministro tava fazendo o serviço e mostraram o rosto dele chorando. Bah, fiquei mal.

    Ouvi vcs falarem da série primeiro no podcast e no momento em q foi dito ql seria o resgate eu já disse: “Se fosse eu não faria de jeito nenhum. Deixaria morrer e não me culparia”. Primeiro pq eu não negocio com bandido, segundo pq nem da minha família a pessoa sequestrada era e terceiro pq a minha dignidade tá acima de tudo, mas mais pq eu não me curvo, principalmente pra bandido.

    O segundo tb achei demais. Qdo o Bing teve a oportunidade de provar a sua revolta contra todo aqle sistema acabou se subvertendo e sucumbindo mostrando de maneira definitiva o qto aqla sociedade estava corrompida.

    Pra mim o mais interessante foi o terceiro, pois eu mesma já havia tido aqla idéia. Bom, eu estou sempre cheia de idéias Sci-Fi e uma delas era um dispositivo q gravava tudo o q uma pessoa via (exatamente daqle jeito, as pessoas podiam ver o q ela viu da perspectiva dos olhos dela), mas na minha concepção o objetivo não era ser usado para rever memórias e sim para solucionar crimes e descobrir pessoas desaparecidas e só a polícia poderia ter acesso a estas gravações. Achei legal pq pude me sentir um pouco como aqles cientistas q inventam algo pra um determinado fim (bom para a sociedade), mas a sua invenção acaba por ser pervertida pra algo ruim, ou desastroso. Se eu tivesse inventado isso e esse fim tivesse sido dado seria péssimo.

    E tb, q coisa louca isso de duas pessoas q nunca se viram terem a mesma idéia, né? Comigo já aconteceu várias vezes, principalmente estudando, sei lá, matemática e física. Já aconteceu de eu pensar em algo e alguém dizer: “Ah, mas isso já foi feito pelo fulano de tal”. Na hora eu me sinto um gênio por ter chegado naqlo sozinha, mas é um puta azar q outra pessoa já tenha feito kkkkk. O pior é q qdo eu digo q tive a idéia sozinha ngm acredita hahaha. Um dia eu vou dar uma dentro hahaha

    Beijão, te acho uma querida.

  • Vine

    Hype é uma merda mesmo ¬¬”

  • Jules

    o primeiro é bem mais ou menos mas o segundo é foda!!

  • http://www.twitter.com/clausbythewind Lucas Gutemberg Tosta

    Eu realmente achei que o segundo episódio não iria ser capaz de superar a sensação que o primeiro me trouxe… Mas conseguiu.

    A Abi… A atriz que faz a personagem é ABSURDAMENTE LINDA, alguém sabe o nome dela? Mas enfim, eu fiquei com uma sensação TÃO RUIM, mas TÃO RUIM, quando começaram a falar pra ela fazer pornô, a expressão dela, tudo… =(

    E o Bing havia se apaixonado por ela… Sei lá, eu não consigo continuar, é meio tenso pra mim, essas coisas…

    Mas até agora, o segundo episódio, (só vi o primeiro e o segundo.) foi o MELHOR! O sistema, tudo… Tipo,
    é digno de ser passado numa boa aula de sociologia numa escola de ensino médio. rs

  • Marcos José

    A série pode ser baixada com legendas no sériesfree.bizz. Eu vi os dois primeiros episódios e gostei muito. ambos são um soco no estômago, sendo que o segundo é melhor que o primeiro em termos de crítica social. Discordo dos termos do Eduardo, pois não vi nada de apelativo na série. A zoofilia foi tratada de maneira muito correta, devidamente inserida na proposta da história e o episódio se foca em mostrar a reação das pessoas ao ato, como o cara impedindo a moça de desligar a tv ou como a ação do ministro afetou o seu casamento na cena final. O ato em si não foi mostrado, uma prova de que os responsáveis não estavam interessados em chocar por chocar, mas fazer uma crítica ao modo como as pessoas se deixam arrastar por situações como essa. Nesse sentido, segundo episódio é quase uma continuação, pois mostra a que extremo uma sociedade como esta pode chegar. Ainda não vi o terceiro episódio, mas estou com boas expectativas.

  • http://twitter.com/_andreflores André Flores

    Vi o primeiro episódio e me arrependo de ter continuado até o fim dele.

    Não vale a pena… sinceramente. E olha que não sou puritano, costumo assistir de tudo. Mas não tem cabimento, pelo menos pra mim, assistir algo que é nojento, bizarro e grosseiro.

    Meu conselho: passem longe de Black Mirror.

  • Kevin

    Assisti o episodio inicial e ela me lembrou vagamente de outra minisérie inglesa, igualmente doentia e profana, chamada Brasseye criada pelo Chris Morris, que é um dos satiristas mais impiedosos que a humanidade já conheceu, e existe um episódio especial que encerra a série totalmente dedicado ao tema da pedofilia, numa época em que a Inglaterra andava consternada com o caso Sarah payne. E é uma das coisas mais bizarras e impagaveis que já assisti, quem curtiu a tônica desse Black Mirror e sabe como não levar muito a sério esse tipo de material, confiram também.

  • LqRner

    Crítica direta no modelo de vida que vivemos. Seja o primeiro ou o segundo episódio. Só achei uma pena o final do 2°, mas foi real e claro.
    Vejamos se o terceiro mantém o ritmo.

    Muito boa a sugestão pessoal.

  • Rodrigo

    Assisti os 3 episódios e não achei o 1° tudo isso que falam, já o 2° é genial e o 3° é bom, sendo superior ao 1°.

    2°>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>3°>>>>>>>>>>1°

  • http://www.twitter.com/clausbythewind Lucas Gutemberg Tosta

    Cara, acabei de assistir o terceiro episódio.
    QUE EPISÓDIO INCRÍVEL! FOI O MELHOR EPISÓDIO
    QUE EU JÁ VI NA VIDA! A história, a forma como foi mostrado, o PESO dele, foi realmente INCRÍVEL!

    Que ódio daquela vadia. E no final… Cara, entrei em depressão, mas, pqp! que episódio!

  • http://verdeolhardejade.blogspot.com Patricia

    Um amigo do trabalho me indicou Black Mirror há um mês atrás e como eu vejo um monte de séries, ainda não tinha baixado, hoje que vou baixar, certamente verei tudo hoje!!
    Também adoro as séries inglesas!!

  • Thiago Barreto

    caraca, valeu pela dica. Achei muito boa essa serie

  • Bruno

    A série é sobre o que, drama, policial, investigativo, sci-fi???

  • http://twitter.com/Aninha182 Aninha

    Eu acabei de ver o primeiro epi e Adoreiiii!
    Eu não teria coragem de fazer aquilo rs.