Amores Roubados – Capítulo 5

Escolhas e suas difíceis consequências…

Neste capítulo que encerrou a primeira semana de “Amores Roubados” vimos um novo Leandro surgir ante os nossos olhos. Um Leandro mais calmo, mais amolecido pela paixão fulminante que sente por Antônia e, sobretudo, um Leandro com consciência de que seus atos passadas não serão esquecidos e que, por este motivo, teme que sua felicidade lhe seja tirada por causa de um dos inúmeros esqueletos em seu armário.

No outro oposto tivemos Jaime, mordido, traído, sedento por vingança, saindo um pouco da postura defensiva que manteve nos três primeiros capítulos da minissérie e assumindo o centro das ações, explicitando sua personalidade forte, seu coronelismo, sua vontade pelo poder. Jaime bufou, esquentou-se, fez piada e zombou de seus “inimigos” enquanto, pelos bastidores, com a ajuda de João, arquitetava a eliminação completa de quem lhe ameaça. Como ele bem disse para João logo no começo do capítulo, ele quer fazer Isabel sangrar… Mais do que isso, Jaime quer pura e simplesmente sangue.

Na review passada destaque a curiosa divisão da série, que agora parece duas: uma com as cenas entre Leandro e Antônia, dotadas de tons românticos, e outra que é praticamente um thriller de ação, assumida por Jaime e Isabel. E neste episódio, essa divisão, além de tornar-se mais evidente, também ganhou uma justificativa. Único elemento em comum entre essas duas faces de “Amores Roubados”, Leandro passou por um processo de mudança neste capítulo e, mesmo em suas cenas com Antônia era visível sua preocupação. O sommelier falou em fugir e pareceu, em todo o tempo em que estava com a amada, incomodado com algo. É como se Leandro, de dentro da trama, estivesse tendo essa mesma visão que eu, daqui de fora, já tive. Ele sabe que por mais bonitos que sejam os pores-do-sol com a amada, o perigo está rondando aquela relação.

E se for isso mesmo, Leandro está correto, pois já na primeira cena vimos Jaime arquitetar a morte do sommelier. Como era de se esperar, o empresário não matou a mulher e conseguiu domar o ódio que sentia e pensar melhor. Decidiu que o caminho mais correto era matar Leandro – e não podemos nos esquecer de duas coisas. A primeira delas que a vinícola que ele comanda é, na verdade, do sogro e, logo, de Isabel. A segunda é que sumir com o corpo de uma grande dama da sociedade é mais difícil do que sumir com o Leandro, que não é ninguém – ou seja, eliminar o amante da mulher e fazê-la sofrer de outras formas, o que não é muito difícil dada a fragilidade mental de Isabel.

Assim o plano rodou durante todo o capítulo, com o sádico João fazendo tudo o que seu “padrinho” queria que fosse feito, com o único propósito de acabar de uma vez por todas com Leandro. Era bastante óbvio que este seria o grande gancho que encerraria a primeira semana de “Amores Roubados”, então eu não esperava outra coisa senão aquela cena final, com Jaime levando Leandro para uma emboscada.

O bom desse plano todo foi que ganhamos atuação brilhante de um Murilo Benício que entendeu a cabeça de Jaime sabendo transitar bem entre o ameaçador, o vingativo e manter-se perante todos impassível, como se nada estivesse acontecendo. Até mesmo por isso, as duas cenas de Murilo no capítulo que mais chamaram a atenção foram justamente aquelas em que ele deixa escapar algo por detrás da máscara, como quando brinca com Isabel falando que ela não havia motivos para ser infeliz naquela casa ou, já no final do episódio, quando começa por meio de indiretas em um dos momentos mais fantásticos desse roteiro, na cena do carro, tornar-se gradativamente mais ameaçador.

Quem merece todo o destaque também é Irandhir Santos que foi sadicamente perverso durante todo o planejamento da execução de Leandro. O ator que tem sido a grata surpresa da minissérie desde sua estreia finalmente cresceu e mostrou toda sua perversão. Se é compreensível o ódio de Jaime em razão da traição da mulher, as atitudes de João demonstram somente maldade, de uma pessoa que é pura inveja. João quer a vinícula, quer Antônia, quer o luxo, o glamour… João quer tudo. E Irandhir foi perfeito em imprimir o prazer de sua personagem em ver essa família desmoronando durante cada uma de suas cenas no capítulo.

E retornando a ideia que trabalhei anteriormente, de que Leandro esteve diferente durante todo este capítulo, acredito que isso foi o que mais me fascinou. É como se Leandro soubesse que iria morrer. A proposta de fuga feita à Antônia pelo rapaz deixa isso claro. Ele sabe que quanto mais tempo permanecer em Sertão, menores são suas chances.  E todas as cenas de Leandro passaram exatamente essa mensagem.

É de se destacar as ótimas conversas entre Leandro e Fortunato que, interpretado pelo ótimo Jesuíta Barbosa, é mais uma das gratas surpresas da minissérie. Fortunato funciona para Leadro como uma consciência fora de seu corpo. Fortunato é como aquele anjinho dos desenhos animados. De maneira crua e às vezes direta até demais o amigo aponta a Leandro o caminho de ruína que ele está seguindo. E foi bom ver neste capítulo, pela primeira vez, Leandro dando ouvidos ao amigo.

O crescimento do relacionamento dos dois foi tão bem desenvolvido que reservou a grande virada do episódio exatamente para essa dupla, com Leandro ligando para Fortunato quando sentiu o perigo da emboscada em que se metera. E não tenho dúvidas que o rapaz vai à procura do amigo e será, provavelmente, quem salvará Leandro da morte (por enquanto).

Mas nada no capítulo foi mais maravilhoso que Leandro e sua mãe, Carolina. O perdão, a superação dos problemas entre os dois, a reaproximação dos dois e a explicitação de que o rapaz encontra-se ameaçado e precisa da mãe foi um dos momentos mais marcantes que a minissérie nos apresentou até hoje. A cena toda foi belíssima, a troca de olhares entre Cauã e Cássia foi de fazer brotar lágrimas nos meus olhos. E o abraço emocionado entre os dois simplesmente fez essas lágrimas rolarem pelo meu rosto. Foi mais uma daquelas cenas que beiram a perfeição. Um roteiro magnífico que com poucas falas deixou escancaradas todas as mágoas existentes entre mãe e filho e uma direção minimalista, sem muitos cortes, focando-se quase que exclusivamente nos rostos de Cauã e Cássia, permitindo que os atores brilhassem. E eles brilharam. Foi uma cena de uma sensibilidade impressionante.

E assim “Amores Roubados” encerrou sua primeira semana de exibição, nos mostrando ser uma minissérie poderosa que trata de sentimentos pesados como a vingança, a ganância e o ódio, mas nos tocando da forma mais impressionante possível com o pedido de perdão mais palpável e emocional que já vi na televisão brasileira.

A expectativa pros próximos cinco – e últimos – capítulos é a melhor possível.

::: Alguns Devaneios Finais:

- Sobre a audiência, a série se recuperou da pequena queda e voltou a registrar 30 pontos no quarto capítulo (com picos de 33), e pela prévia de sexta, deve fechar sua semana de estreia com média de 30 pontos, se tornando o maior sucesso comercial da faixa nos últimos 8 anos e consolidada como a segunda maior audiência da Globo no dia, perdendo apenas para a novela das 21h.

- A audiência, no entanto, irá sofrer quedas na próxima semana uma vez que, com a estreia do BBB, “Amores Roubados” que hoje ocupa a faixa das 22h, passará a ocupar a faixa das 23h (chegando ao fim próximo das 00h). Não há previsões, na Globo, de qual vai ser o tamanho dessa queda, pois ninguém na emissora aguardava o sucesso estrondoso de “Amores Roubados”.

- De qualquer forma, a Globo espera que “Amores Roubados” ajude a aumentar a audiência do BBB, que é o que eles chamam de “sala de espera”, ou seja, o programa que o público assiste antes do que verdadeiramente quer ver. A minissérie já fez isso om Amor à Vida, que aumentou quase 4 pontos em sua média semanal depois da estreia de “Amores”.

- Sobre a emocionante cena entre Cauã Reymond e Cássia Kis Magro, vale destacar que em entrevista dada esta semana, Cauã revelou que, a pedido de Cássia, eles levaram as desavenças de seus personagens para a vida real em uma espécie de laboratório para construir essa relação. Desta forma, mesmo que juntos durante um grande período no qual a equipe gravou no Pernambuco, Cauã e Cássia mal dirigiam a palavra um ao outro, só retornando a um relacionamento ao término das gravações quando, de acordo com Cauã, Cássia lhe deu um grande abraço e os dois choraram juntos.

- Muita gente (inclusive aqui nas reviews) reclamou do áudio da minissérie que, por vezes, abafa as falas. Essas reclamações foram direcionadas a Globo que promete investigar isso nos 5 capítulos restantes.

- Já há conversas entre Globo e George Moura sobre uma possível nova minissérie no começo do ano que vem. Após os sucessos do roteirista em O Canto da Sereia (2013) e agora em Amores Roubados (2014), Moura ganhou um novo patamar na emissora. O problema é que José Luiz Villamarim provavelmente não vai renovar a parceria com o roteirista em razão da nova novela de João Emanuel Carneiro que deverá estrear exatamente no primeiro trimestre de 2015 e deve contar, mais uma vez, com o diretor ao lado de Amora Mautner.

  • Vanessa Tag

    Thiagoooo aleluia tava esperando q nem louca essa review!!! Hahahaha
    Insanidades de lado rs Queria saber se vc viu q Leandro já esta cm a roupa q ele aparece na primeira cena da minissérie… Vi na hora, e digo mais ele tava fugindo no carro do João ( q o ator ta fazendo um trabalho excepcional pq é só ele aparecer na tela q meu estômago revira), q como vimos no episódio de ontem, ele esqueceu a chave dentro do carro… Adoro autores q não subestimam a inteligência do público :))))
    Mas ontem ao final do episódio cheguei a duas conclusões, q se vc quiser surpresa não leia, mas se quiser conflabular cmg iria adorar… Ou Leandro foge e Fortunato ajuda e os outros episódios serão sobre a fuga desenfreada dos amantes desafortunados (q seria mtoooo sem graça), ou… E ai entra a minha ideia maluca hahahaha Eu acho q na cena em q Antônia esta passando mal é uma previa do q irá acontecer cm ela apos contar para a mãe seu romance cm o Leandro, acho q a nossa melancólica Isabel vai ficar insandecida cm essa troca e vai querer eliminar a “concorrência” msm sendo ela a sua filha…
    Mas minhas ideias malucas não param por ai hahahah No carro q estava seguindo o Leandro, acho q só haviam duas pessoas, e acredito q nenhuma delas seja o Jaime, algo me diz q João vai mostrar as garras contra o padrinho, afinal na cabeça dele a Antônia sera sua mais dia ou menos dia então ele não precisará mais do padrinho e terá seu bote expiatório para culpar…
    E cm sou uma mente perturbada hahahaha acredito q o final dessa perseguição não será feliz para Leandro, e sua mãe vai suspeitar da Celeste, afinal é o único affair do seu filho q ela sabe, e irá chantagear e sambar na cara da divina Celeste…
    O q acha??? Tô viajando??? Hahaha

  • Bruno

    Adorando acompanhar a minissérie e a suas reviews.
    Uma informação sobre o último ponto, já teremos nova parceria entre George Moura e Villamirim ainda este ano. Já é confirmado que a novela das 23h deste ano será escrita por Moura e novamente dirigida por José Luiz Villamirim. Será um remake da novela “O Rebu”. Inclusive Patricia Pillar e Cássia Kiss Magro já estão escaladas.

  • Messinho’

    Filho, vou nem falar mais nada. Depois dessas teorias esqueci até o que ia dizer.

  • Nélio Oliveira